JMJ 2023: “Se queres ser feliz junta-te a Cristo”

5 de maio de 2022

A frase é de Fernando Chapeiro, diretor da Pastoral Juvenil da diocese de Viseu, na reportagem de Inês Silva. A cruz peregrina e o ícone mariano deixaram Viseu e rumam agora ao Funchal na ilha da Madeira.

Rui Saraiva – Portugal 

Os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) concluíram a sua peregrinação na diocese de Viseu. No final de abril a cruz peregrina e o ícone mariano ‘Salus Populi Romani’ despediram-se de Viseu onde, durante um mês, foram motivo de encontro entre dezenas de milhares de pessoas, percorrendo mais de dois mil quilómetros.

Sobre os últimos passos dos símbolos da JMJ na diocese de Viseu damos a palavra a Inês Silva que neste mês de abril connosco percorreu a aventura da comunicação.

Ouça a reportagem

Cruz peregrina, uma marca que fica, um caminho a fazer

“Os últimos dias dos símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude na Diocese de Viseu foram passados entre os arciprestados do Dão, da Beira Alta e de Lafões, com algumas interrupções para visitas a paróquias e instituições de Viseu Urbano.

Na segunda-feira de Páscoa, dia 18 de Abril, no fim de uma Via Sacra organizada por jovens da paróquia, o Comité Organizador Diocesano de Viseu estreou em direto, no seu canal de Youtube, um vídeo que visa convidar os jovens a participar não só nas Jornadas Mundiais da Juventude, mas também no caminho a percorrer até às mesmas.

No dia 19 de abril, os símbolos rumaram a Aguiar da Beira, tendo seguido, a 21 de abril, para Fornos de Algodres, Nelas (22 de abril), Mangualde (23 de abril) e Penalva do Castelo (24 de abril), onde foram recebidos pelos vários grupos, movimentos e instituições presentes nestes locais.

Pelo meio, a 20 de abril, os símbolos regressaram ao Arciprestado de Viseu Urbano para uma visita aos mais frágeis da sociedade, indo ao lar do Campo de Madalena, seguindo, pelas mãos dos seus funcionários, até ao Estabelecimento Prisional de Viseu, situado na mesma localidade.

No dia 25 de abril, o parque da praia artificial de Mangualde abriu-se para receber a festa de encerramento da peregrinação dos símbolos pela diocese de Viseu.

A tarde iniciou-se com uma Via Sacra vinda do Santuário da Senhora do Castelo para o parque da praia, com o acompanhamento musical, entre estações, de Claudine Pinheiro. Esta oração contou com a presença de D. António Luciano, Bispo de Viseu, e D. Américo Aguiar, Bispo Auxiliar de Lisboa e presidente da Fundação JMJ Lisboa 2023. Seguiu-se a atuação da Banda da Paróquia, criadora do hino da JMJ 2023, que animou o resto da tarde.

No dia 26 de abril, os símbolos voltaram ao Arciprestado de Viseu Urbano para visitar os mais frágeis, indo, desta vez, à Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Viseu e às três instituições hospitalares da cidade: Hospital de São Teotónio, Hospital CUF Viseu e Casa de Saúde São Mateus.

Entre 27 e 29 de abril, os símbolos visitaram o Arciprestado de Lafões, participando numa vigília em São Pedro do Sul (27 de abril), numa oração mariana em Campia, Vouzela (28 de abril) e numa adoração ao Santíssimo Sacramento em Oliveira de Frades (29 de abril).

Rita Cardão, da paróquia de São Pedro do Sul, fala-nos da alegria de viver o tempo pascal com a possibilidade de ter os símbolos na sua paróquia.

“De facto, esta peregrinação surge como uma oportunidade muito boa, neste tempo pascal, para vivermos a alegria, para sentirmos que Jesus vive e que vem ao nosso encontro. Para a grande maioria das pessoas aqui na paróquia, penso que terá sido uma oportunidade inédita; acho que, para a grande maioria, foi a primeira vez, e explicar toda esta história que está por detrás destes símbolos, acho que é bastante marcante e foi bastante significante”, refere.

Um mês de graças

Quando se fala no mês de abril, fala-se num mês repleto de atividades, alegria, fé e amor, num caminho partilhado rumo às Jornadas Mundiais da Juventude.

Fernando Chapeiro, diretor da Pastoral Juvenil, relata uma “montanha-russa de emoções. Aquilo que Viseu me mostrou foi podes confiar, estamos juntos, caminhamos juntos e estamos a caminho, porque estava lá muita gente e isso foi logo o primeiro encher de coração. Depois, ao longo de todo o mês da peregrinação, a mim pessoalmente, fez-me recordar cada uma das jornadas em que eu já estive, quer a jornada do Rio de Janeiro, quer a jornada de Madrid, quer a jornada de Cracóvia e até aquela jornada que nos fizemos, a pontes do pana má, e isso para mim foi importante. Verdadeiramente, com esta peregrinação, eu senti que este é verdadeiramente o caminho da felicidade. Senti isto: se queres ser feliz este é o caminho, estes são os valores, esta é a atitude que deves ter… se queres ser feliz junta-te a Cristo.”

No último dia dos símbolos na diocese de Viseu, foi realizada uma vigília na Igreja do Seminário Maior, em Viseu, celebrada pelo Bispo da Diocese, D. António Luciano.

Apesar de não haver nenhum representante da diocese do Funchal presente, a entrega e passagem dos símbolos foi feita de forma simbólica, e D. António Luciano, bispo de Viseu, deixou uma mensagem a D. Nuno Brás, bispo do Funchal, na qual refere que, a partir da Igreja do Seminário “enviamos-vos a cruz e também o ícone de Nossa Senhora, os símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude. Com muita gratidão, com muita amizade e com muita paz. Todo o bem que deixaram na diocese de Viseu, eu espero que no meio dessas águas do atlântico aconteça o mesmo bem e a essa diocese, a todo esse bom povo, com o clero, consagrados, leigos e jovens, que esta cruz e também o ícone de nossa senhora, semeiem sementes de esperança, de alegria e de paz. Que realmente chegue bem esta cruz e o ícone de nossa senhora, nos enviamo-lo com amor, com saudade, mas também com muita gratidão”.

A peregrinação pela diocese de Viseu foi de quase um mês e foi acompanhada por mais de 12500 pessoas. Os símbolos percorreram mais de 2500 km, passaram por dezenas de paróquias e instituições dos seis arciprestados da diocese, 12 autarquias, 18 estabelecimentos de ensino, quatro associações de bombeiros, três unidades hospitalares e um estabelecimento prisional.

Os símbolos seguem agora para a Diocese do Funchal

A ilha da Madeira e a diocese do Funchal acolhem os símbolos da JMJ já a partir de dia 6 de maio.

A Rádio Vaticano e o Vatican News continuam a acompanhar a preparação da Jornada Mundial da Juventude que decorrerá em Lisboa em 2023.

Laudetur Iesus Christus

Vatican News

FacebookTwitterWhatsApp